Se você entrar hoje em um site de notícias brasileiro, chinês ou britânico é capaz de se deparar com manchetes parecidas: energia mais cara a cada dia e risco de racionamento.

A disparada dos preços não é segredo para ninguém. Basta abrir a conta de luz ou levar o carro para abastecer para levar um susto — e se indignar.

O que nem todos sabem é que esse é um fenômeno global. O processo de reabertura da economia após a pandemia da covid-19 bagunçou a produção de energia em todo o mundo.

Primeiro, porque a migração para as fontes sustentáveis levou a um aumento dos preços dos componentes para a geração de energia solar e eólica.

Essa é a chamada inflação verde, como repete o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em quase todos os eventos que participa.

Ao mesmo tempo, a queda nos investimentos para a geração “suja”, como o petróleo e o carvão, reduziu a oferta dessas commodities, justamente quando o mundo começou a demandar mais energia.

Na coluna de hoje, o Matheus Spiess explica em detalhes os impactos da crise energética — e como essa também pode ser uma oportunidade de investimento.

Uma ótima leitura para o feriado, nem que seja para você não se assustar tanto quando chegar a sua próxima conta de luz.

Fonte:https://www.seudinheiro.com/2021/colunistas/o-melhor-do-seu-dinheiro/o-que-a-sua-conta-de-luz-tem-em-comum-com-a-de-um-chines/