A 77ª Assembleia Geral Anual da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) anuncia hoje, 4 de outubro, que aprovou uma resolução para a indústria global de transporte aéreo atingir zero emissões líquidas de carbono até 2050. Este compromisso se alinhará com a meta do Acordo de Paris de que o aquecimento global não exceda 1,5°C.

“As companhias aéreas de todo o mundo tomaram uma decisão importante para garantir que voar seja sustentável. A reconexão pós-COVID-19 estará em um caminho claro em direção ao zero líquido. Isso garantirá a liberdade das gerações futuras de explorar, aprender, comercializar, construir mercados, valorizar culturas e conectar-se com pessoas de todo o mundo de forma sustentável. Com os esforços coletivos de toda a cadeia de valor e políticas governamentais de apoio, a aviação alcançará emissões líquidas zero até 2050”, disse Willie Walsh, Diretor Geral da IATA.

Alcançar emissões líquidas zero será um grande desafio. A indústria da aviação deve reduzir progressivamente suas emissões enquanto acomoda a crescente demanda de um mundo ávido por voar.

Para poder atender às necessidades dos dez bilhões de pessoas que devem voar em 2050, pelo menos 1,8 gigatonelada de carbono deve ser abatida naquele ano. Além disso, o compromisso líquido zero implica que um total acumulado de 21,2 gigatoneladas de carbono será reduzido até 2050.

Um recurso chave imediato é o Esquema de Compensação e Redução de Carbono para a Aviação Internacional (CORSIA) da Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO – International Civil Aviation ORganization). Isso estabilizará as emissões internacionais nos níveis de 2019 no curto a médio prazo. O apoio a isso foi reafirmado na resolução de hoje.

Esforços coletivos de toda a indústria

O caminho da estabilização das emissões e da redução de emissões exigirá um esforço coletivo. Todas as partes interessadas da indústria, incluindo governos, devem cada qual individualmente assumir a responsabilidade de lidar com o impacto ambiental de suas políticas, produtos e atividades. E eles devem trabalhar juntos para fornecer conectividade sustentável e, em última instância, quebrar a dependência dos combustíveis fósseis na aviação.

“O alcance da conectividade global sustentável não pode ficar apenas nas costas das companhias aéreas. Todas as partes da indústria da aviação devem trabalhar juntas dentro de uma estrutura de política governamental de apoio para entregar as mudanças massivas que são necessárias, incluindo uma transição energética. Isso não é diferente do que estamos vendo em outras indústrias. Os esforços de sustentabilidade do transporte rodoviário, por exemplo, não estão sendo promovidos apenas por aqueles que constroem veículos elétricos. Os governos estão fornecendo políticas e incentivos financeiros para que fornecedores de infraestrutura, fabricantes e proprietários de automóveis possam fazer coletivamente as mudanças necessárias para um futuro sustentável. O mesmo deve se aplicar à aviação”, disse Walsh.

Fonte:https://www.aeroin.net/aprovada-resolucao-que-busca-emissao-liquida-zero-de-carbono-na-aviacao-ate-2050/