Brasil prepara profissional do futuro para atuar no mercado de energia solar
O Brasil é, atualmente, o oitavo maior gerador de energia solar no mundo e o terceiro colocado no ranking mundial de geração renovável pela Agência Internacional de Energia Renovável, Irena, que afirma que o setor de energia no país deve continuar crescendo exponencialmente durante toda a década. Dentro desse arcabouço, as fontes solar e eólica contribuíram para 90% do aumento da capacidade de geração renovável global, em 2022.
A expectativa é que, apenas em 2023, a fonte solar fotovoltaica gere mais de 300 mil novos empregos e atraia mais de R$50 bilhões em investimentos só para o mercado brasileiro, segundo projeção da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).
Diante desse cenário, um desafio inversamente proporcional é encontrar profissionais para atuar em diversas funções, entre as quais, as interligadas à Engenharia serão as mais demandadas. A inovação tecnológica e a necessidade de desenvolver diferentes capacidades e habilidades não é uma exclusividade do mercado de energia solar.
Além de se adaptar às novas tecnologias e à nova demanda do setor elétrico, esse “profissional do futuro-presente”, precisa estar alinhado aos valores e práticas do movimento ESG – a sigla em inglês para sustentabilidade ambiental, social e de governança corporativa, que está guiando as empresas e a sociedade no sentido de criar um mundo mais sustentável e saudável para a humanidade.

Por isso, o profissional que o mercado está buscando deve ter um perfil inovador que contemple uma visão holística e tenha um olhar amplo sobre os impactos positivos e negativos intrínsecos ao desenvolvimento do setor de energias renováveis, onde a energia solar é um dos maiores players.

A sua energia é o nosso negócio.