A demanda global de energia diminuiu 3,8% em relação ao primeiro trimestre de 2020 devido a lockdown, segundo a AIE.
Durante todo o ano, a queda pode chegar a 6%.
As emissões globais caíram 5% no primeiro trimestre de 2020.
O mundo pôde ver uma das maiores reduções nas emissões de CO2 já registradas.
As grandes crises globais, da gripe espanhola à crise financeira de 2008, sempre afetaram a demanda de energia.

Com os bloqueios impostos em todo o mundo, não surpreende que a demanda de energia tenha diminuído 3,8% no primeiro trimestre de 2020, pois as pessoas ficaram em casa e fizeram apenas viagens essenciais. No final de março, o transporte rodoviário caiu 50% e a aviação 60%.

Essas são as principais conclusões da Global Energy Review 2020 da Agência Internacional de Energia. O relatório sugere que a demanda de energia pode cair até 6% este ano em comparação com 2019, dependendo de como a economia global se recupera.

Redução da demanda de eletricidade após a implementação de medidas de bloqueio.

Eletricidade e CO2 em baixa, renováveis ​​em alta

A demanda por eletricidade caiu cerca de 20% a cada mês, onde estavam em operação bloqueios completos, segundo a AIE. No geral, houve uma redução de 2,5% globalmente no primeiro trimestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado.

As emissões globais de CO2 foram 5% mais baixas durante o primeiro trimestre de 2020, em comparação com o primeiro trimestre de 2019. A IEA prevê que as emissões possam cair 8% durante todo o ano – o que registraria os níveis mais baixos desde 2010.

De todas as fontes de energia, apenas a energia renovável cresceu. Devido à menor demanda de eletricidade, as empresas de energia aumentaram a participação da energia eólica e solar em seu mix de energia. Em 2020, a AIE espera que a eletricidade renovável aumente em quase 5%.

Emissões globais de CO2 relacionadas à energia, 1900-2020
Mudança anual nas emissões globais de CO2 relacionadas à energia.
Uma oportunidade de mudança

Por melhor que pareça, a queda acentuada das emissões deste ano ainda não chegará ao mundo nem perto das metas do Acordo de Paris, a menos que seja sustentada.

Uma análise da Carbon Brief destaca que limitar o aquecimento global a 1,5 ° C exigiria que as emissões de CO2 caíssem consistentemente em cerca de 7,6% a cada ano nesta década.

Enquanto isso, um estudo mostra como um forte declínio nas emissões de CO2 durante a crise financeira foi seguido por um aumento acentuado depois.

“Nesse momento, não vemos sinais claros de que a pandemia e nossa resposta social a ela levem a mudanças significativas e permanentes no caminho das futuras emissões globais”, Robbie Andrew, pesquisador sênior do Centro de Clima Internacional e Pesquisa Ambiental, disse à BBC.

No entanto, os países devem aproveitar a oportunidade para garantir que não se recuperem das formas antigas, mas adotem uma abordagem ecológica da recuperação econômica.

Fonte: https://www.weforum.org/agenda/2020/05/this-is-how-coronavirus-lockdowns-have-changed-energy-demand/