Uma das maiores disputas econômicas em décadas está começando a tomar forma. Uma enxurrada de decisões de investimentos de vários bilhões de dólares das principais montadoras junto com o crescimento nas vendas de bens de consumo faz com que 2021 pareça o ponto de inflexão para a adoção de veículos elétricos.

E enquanto as montadoras de automóveis e governos estão determinando metas para a participação no futuro mercado de veículos elétricos – até 50% de todos os veículos novos vendidos nos Estados Unidos em 2030 – o lugar onde todos eles serão produzidos permanece uma questão em aberto. Para os estados do sudeste e do sudoeste, trata-se de uma oportunidade de tirar o controle da indústria automobilística de sua histórica casa no Meio-Oeste.

À medida que os veículos elétricos conseguiram alguns por cento de participação de mercado, o modelo da Tesla Inc. definiu o rumo: modernizar uma antiga fábrica de automóveis (a fábrica da Tesla em Fremont, Califórnia, pertencia originalmente a General Motors Co.) e se concentrar em aperfeiçoar um punhado de produtos inovadores até se ter algo que os consumidores queiram comprar. A Rivian Automotive Inc., que está produzindo caminhões elétricos em uma antiga unidade da Mitsubishi Corp. em Normal, Illinois, adotou uma estratégia semelhante.

No entanto, há uma diferença entre produzir e vender algumas centenas de milhares de unidades por ano e produzir e vender até 10 milhões de unidades por ano, que é a meta para 2030.

Esta é a próxima fase de expansão que está em curso agora. E o que estamos vendo é que os novos planos anunciados parecem diferentes dos que surgiram antes. A Tesla abriu caminho com sua Gigafactory, produtora de baterias, perto de Reno, Nevada, e sua unidade de produção que está sendo construída perto de Austin, Texas. Mais uma vez, seus concorrentes parecem estar seguindo o mesmo caminho.

Fonte:https://einvestidor.estadao.com.br/comportamento/carros-eletricos-setor-automotivo-eua/