O cenário da mobilidade elétrica no mundo vem se consolidando ao longo dos últimos anos. Somente na China, há 500 empresas fabricantes de veículos elétricos. Na Europa, por sua vez, também existe um enorme apelo, mas com o desafio da origem da energia.

No Brasil, os carros eletrificados também estão em crescimento. Atualmente, há mais de 66 mil VEs, segundo dados do Renavam/ABVE. A gama inclui veículos híbridos não plug-in (HEV), híbridos plug-in (PHEV) e elétricos 100% a bateria (BEV) – sendo que, ao todo, incluindo carros a combustão, a frota no país é de cerca de 50 milhões.

As vendas de veículos eletrificados no Brasil de janeiro a outubro de 2021 chegaram a 27.097 unidades, que equivalem a um aumento de 74% sobre os emplacamentos do mesmo período de 2020 (15.565). Só em outubro, as vendas de eletrificados totalizaram 2.823 veículos, ou 24% a mais do que em outubro de 2020 (2.273).

Quais são os desafios no país?

Mesmo com a ascensão será necessário galgar muito para uma mobilidade totalmente elétrica no país. Por isso, veja abaixo a entrevista com Junior Miranda, CEO da GreenV, startup de tecnologia em mobilidade elétrica que nasceu da AZ Energy e assumiu todo o seu legado de mais de 1.500 pontos de recarga instalados no país.

“Há falta de insumos ocasionalmente, mas há também falta de incentivo político, ou seja, um programa estratégico de eletrificação por partes governantes e também em função de ser uma nova tecnologia, altos custos iniciais, mas quem tem baixado ao longo do tempo. Em especial o custo das baterias, que vem baixando muito nos últimos 10 anos”.

Mesmo com aproximadamente mil carregadores públicos e semipúblicos (privado com acesso público, como hotéis, restaurantes e shoppings), precisa haver distribuição da rede de recargas.

“Nosso país é muito grande. Quando a gente pega um número do exterior, esse número ele está até razoável, mas o problema é a distribuição disso. Num país continental, o número que faz sentido lá fora não faz sentido para a gente. Precisa crescer essa rede de recargas, sem dúvida nenhuma”.

As eletrovias também são importantes para o desenvolvimento desse setor. “Deve haver um investimento tanto privado como público em eletrovias para poder abastecer o nosso país. Isso é crítico para que facilite a vinda mais pesada de elétricos”.

Para se ter uma ideia, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o Brasil precisa investir R$ 14 bilhões em pontos de recarga até 2035. A necessidade engloba 150 mil postos para a demanda que será gerada.

“Até 2025 devemos ter de 10 a 20 mil pontos de recarga semipúblicos. O mercado está crescendo muito rápido e isso vai acontecer”, diz Miranda.

Fonte:https://motorshow.com.br/mobilidade-eletrica-acelera-veja-quais-sao-os-desafios-do-brasil/