Pela primeira vez na história, o Sistema Nacional de Meteorologia emitiu um alerta de emergência hídrica para a área da Bacia do Paraná, que abrange os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. A previsão é de chuvas abaixo da média entre junho e setembro na região, conhecida por concentrar as principais hidrelétricas do país.

A falta de chuvas afeta também outras áreas, o que gerou a necessidade do acionamento de usinas termelétricas, que produzem energia mais cara. Como resultado, entrou em vigor a bandeira tarifária vermelha dois, a mais custosa aos consumidores, desde a semana passada. E tudo isso impacta diretamente na inflação, porque a conta de energia faz parte do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA.

Para 43% dos brasileiros, pagar mais caro na conta de luz é o maior problema causado pela crise hídrica no país. O impacto na atividade econômica e no emprego pode ser a consequência para 32%. Outros 17% acham que o país pode enfrentar um apagão.

É o que mostram os dados da mais recente pesquisa EXAME/IDEIA, projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. O levantamento ouviu 1.252 pessoas entre os dias 7 e 10 de junho. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. Clique aqui para ler o relatório completo. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

A sondagem mostra que 75% já perceberam o aumento na conta de luz e o orçamento mais apertado. Na avaliação de Maurício Moura, fundador do IDEIA, a preocupação com a inflação e o aumento geral de preços é recorrente nas últimas pesquisas de opinião pública no Brasil.

“A parcela de 32% que acha que a crise de energia pode gerar impacto na atividade econômica é muito significativa. Vale lembrar que para quem tem renda e escolaridade mais altas, o impacto na atividade econômica é mais relevante que o aumento na conta de luz. De qualquer forma, existe uma preocupação bastante forte com aumento da conta de energia e com o orçamento das famílias como um todo”, explica.

A crise hídrica não é de hoje, desde 2019 o governo federal monitora a situação e percebeu que houve uma diminuição na regularidade de chuva no Sudeste e no Centro-Oeste. A bandeira tarifária mais alta também virou uma recorrência na conta dos brasileiros. Em maio, ela estava na vermelha 1.

Exatamente no mês de maio o IPCA ficou em 0,83%, acima do esperado por analistas, e puxada, em grande parte, pela conta de energia elétrica. Nos últimos 12 meses, a inflação está em 8,06%. No acumulado do ano, o índice está em 3,22%. A inflação permanece acima do teto da meta do governo que é de 5,25% em 2021.

Fonte: https://exame.com/economia/pressao-na-inflacao-43-acham-que-crise-hidrica-vai-aumentar-conta-de-luz/