Quão verde é a energia eólica? Não é uma pergunta simples. Claro que o vento sopra sem emissões de carbono, mas pegá-lo não é fácil. Construir e erguer turbinas eólicas requer centenas de toneladas de materiais – aço, concreto, fibra de vidro, cobre e outros recursos específicos como neodímio e disprósio usados em ímãs permanentes.

Tudo isso tem uma pegada de carbono. A fabricação de aço requer a combustão de carvão metalúrgico em altos-fornos. A mineração de metais e terras raras (substâncias químicas usadas na indústria para a produção de diversos itens) consome muita energia. E a fabricação de concreto emite muito dióxido de carbono.

No caso da energia eólica e solar, essas emissões são quase todas antes do processo. Isso contrasta com as usinas elétricas movidas a combustível fóssil, onde elas ocorrem continuamente à medida que o carvão e o gás natural são queimados.

É uma grande distinção. Mas quão significativo é isso? A analista Deepa Venkateswaran, da Bernstein Research, investigou isso.

Citando dados do Laboratório Nacional de Energia Renovável, da empresa dinamarquesa de turbina eólica Vestas, da companhia de engenharia Siemens Gamesa Renewable Energy e estimativas da Bernstein, Deepa determinou que os maiores contribuintes para a pegada de carbono das turbinas eólicas são o aço, o alumínio e as resinas epóxi que unem as peças – com a torre de aço representando 30% do impacto de carbono, o alicerce de concreto 17% e as lâminas de fibra de carbono e fibra de vidro 12%.

Boas notícias: amortizando o custo do carbono ao longo de décadas de vida do equipamento, a Bernstein determinou que a energia eólica tem uma pegada de carbono 99% menor do que as usinas movidas a carvão, 98% menos do que o gás natural e uma surpresa 75% menor do que a solar.

Mais especificamente, eles calculam que as turbinas eólicas geram, em média, apenas 11 gramas de emissão de CO2 por quilowatt-hora de eletricidade produzida. Isso se compara a 44 g/kwh para energia solar, 450 g para gás natural e impressionantes 1.000 g para carvão.

Mas derrotando todos eles está a fonte de energia original de carbono zero em grande escala, a energia nuclear, a 9 g/kwh.

Graças à tecnologia, essas estatísticas não são estáticas. As turbinas eólicas offshore estão se tornando enormes, com a Haliade X da General Electric apresentando pás de 107 metros de comprimento e gerando 14 megawatts. A pegada de carbono de tais aerogeradores pode chegar a 6 g/kwh.

E eles podem ter tendências mais baixas, graças ao advento do chamado aço verde. As empresas suecas Hybrit e H2 Green Steel estão investindo bilhões para produzir milhões de toneladas por ano de aço verde. Em vez de queimar carvão metalúrgico para disparar um alto-forno tradicional para reduzir o minério de ferro em ferro-gusa, eles usarão hidrogênio verde eletrolisado por meio de energia renovável.

Eles também estão trabalhando na redução da pegada de carbono no backend de projetos eólicos e solares – reciclando antigos painéis fotovoltaicos e lâminas de turbina.

Na Itália, uma empresa chamada Sasil pretende reciclar 3.500 toneladas de painéis solares antigos por ano, enquanto na França, a Veolia pretende aumentar a capacidade de reciclagem de seus painéis para 4.000 toneladas por ano. No estado do Arizona, nos Estados Unidos, pesquisadores estão trabalhando em processos eletroquímicos para extrair metais como estanho, cobre e chumbo das células solares, dissolvendo-os em banhos de ácido nítrico, depois em ácido fluorídrico e hidróxido de sódio.

Eles não ficarão sem material – a Agência Internacional de Energia Renovável prevê que teremos que lidar com 78 milhões de toneladas métricas de resíduos de painéis solares antiquados e dezenas de milhões de toneladas de pás de turbinas antigas até 2050.

Essas lâminas, feitas de fibra de carbono e compostos de fibra de vidro unidos a plásticos, são mais difíceis de reciclar. Os operadores de parques eólicos tendem a atualizar ou “repotenciar” suas turbinas cerca de uma vez por década, o que resulta em pilhas de pás velhas que normalmente acabam em aterros.

Cada vez mais essas lâminas antigas estão sendo colocadas em um uso modesto – quebradas, trituradas e adicionadas ao cimento como enchimento. Todo o progresso no longo caminho para atingir as emissões zero de carbono.

Fonte: https://forbes.com.br/forbesesg/2021/05/sera-que-a-energia-eolica-e-realmente-verde/