Uber lançou nesta semana no Brasil o chamado Uber Planet, um produto da companhia de transportes para ajudar na preservação ambiental por meio da compensação das emissões de gás carbônico (CO2) nas viagens feitas. O serviço é fruto da parceria com a Carbonext, empresa responsável por mensurar e reduzir as pegadas de carbono produzidas a cada viagem realizada na plataforma.

A novidade desembarca inicialmente de modo piloto em cinco cidades brasileiras: Florianópolis (SC), Natal (RN), Maringá (PR), São José dos Campos (SP) e Campos dos Goytacazes (RJ). Segundo a Uber, essa modalidade ajudará a empresa a se manter sustentável e contribuir para um ambiente mais saudável para todos.

Os créditos compensados serão direcionados para projetos de preservação de áreas degradadas ou sob ameaça na Floresta Amazônica. A parceira da Uber promete devolver à floresta cerca de 70% da renda gerada pela comercialização dos créditos para a defesa, desenvolvimento e combate às práticas de desmatamento da área, e para preservação do bioma local.

Toda viagem realizada por meio do Planet terá um acréscimo médio de 5% no valor da corrida realizada pelas modalidades UberX ou Comfort. Não será necessário baixar um novo app, porque o serviço fica alocado na própria ferramenta oficial da Uber: ao digitar o local da partida e destino da viagem, basta selecionar as opções Uber Planet ou Comfort Planet.

Neutralização do carbono

O usuário receberá um relatório no fim de cada mês com a quantidade de CO2 compensado graças ao seu apoio, o que pode estimular ainda mais o uso do mecanismo. Segundo dados da Uber, a parceria deve beneficiar projetos em cerca de 1 milhão de hectares da Floresta, que geram cerca de cinco milhões de toneladas de créditos de carbono por ano.

O combate ao desmatamento é considerado uma das melhores soluções para evitar as emissões elevadas de CO2, afinal há um claro impacto das derrubadas no aquecimento global e no agravamento das mudanças climáticas. No ano passado, a empresa anunciou que pretende zerar as emissões de carbono até 2040 com a adição de carros elétricos à frota e outras ações corporativas.

Fonte:https://canaltech.com.br/apps/uber-vai-deixar-usuario-pagar-mais-para-compensar-emissao-de-co2-nas-viagens-199290/