UE quer produzir este ano mais energia eólica e solar do que a que compra à Rússia.
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou esta terça-feira que a União Europeia (UE) vai produzir este ano mais energia eólica e solar do que aquela que compra à Rússia, dando mais um passo significativo para reduzir a dependência energética de Moscovo.
ara Ursula von der Leyen, isso mostra que a UE está a conseguir transformar “o desafio de [Vladimir] Putin numa nova e importante oportunidade”, depois de o Kremlin ter cortado o fornecimento de gás à Europa e ter usado a energia como arma para responder às sanções económicas impostas pela UE após a invasão russa da Ucrânia.

Ursula von der Leyen recordou que, antes da invasão da Ucrânia, “uma em cada cinco unidades de energia consumida na UE era importada da Rússia” e que Moscovo, ainda antes da guerra, “já tinha aumentado a vulnerabilidade da Europa ao não encher deliberadamente os depósitos de gás até aos níveis habituais”.

Porém, tal como o Negócios escreveu em agosto, a organização não-governamental (ONG) Global Witness tem alertado que os países da UE têm vindo a aumentar as compras de gás natural liquefeito (GNL) à Rússia. No caso português, as importações de GNL russo aumentaram, em termos homólogos, quase 6% de janeiro a agosto do ano passado.
A presidente da Comissão Europeia salientou que é importante que se tirem da atual crise energética lições para o futuro e que se perceba como “a dependência excessiva de uma empresa, de um país, de uma rota comercial traz riscos”.

A sua energia é o nosso negócio.