“Vamos sintonizar o Brasil com o clamor da humanidade por um meio ambiente sustentável e a redução de carbono no planeta”, diz Rui Costa a embaixadores em Brasília.
Cerca de 150 representantes de países estrangeiros conheceram, nesta segunda-feira (18), em Brasília/DF, as oportunidades de investimento que o Novo PAC oferece a empresas e grupos empresariais de todo o mundo. O ministro da Casa Civil e coordenador do Novo PAC, Rui Costa, ressaltou, no Palácio do Itamaraty, que os investimentos buscam se alinhar com a sustentabilidade ambiental, ao priorizar as melhores práticas mundiais.

Costa afirmou a embaixadores que o Brasil tem grande interesse em abrir diálogo com diversos países para o desenvolvimento de tecnologias mais sustentáveis. O ministro citou projetos que preveem, por exemplo, o uso do Hidrogênio Verde em locomotivas, VLT, e no transporte rodoviário de cargas. Em outra frente, Costa citou que a geração de energia limpa no Novo PAC está ancorada no aumento das linhas de transmissão do Brasil, por meio dos leilões que estão previstos no programa. “O objetivo dos linhões de energia é destravar os investimentos privados em energia eólica e solar, e viabilizar a produção de hidrogênio”, explicou.

Na apresentação ao corpo de diplomático foram divulgados os números referentes a volume de investimento, no âmbito do Novo PAC, em diferentes áreas. Para novas concessões rodoviárias são estimados R$ 72,8 bilhões. Em leilões de portos, a previsão de investimento é de R$ 9 bilhões; em transmissão de energia mais R$ 40,1 bilhões; na área de saneamento são R$ 24,4 bilhões e outros R$ 2,2 bilhões devem ser investidos em resíduos sólidos urbanos.

A sua energia é o nosso negócio.